Nutrição das plantas: Nutrientes e suas funções

A solução nutritiva é uma das etapas mais importante de todo o sistema hidropônico. Por não utilizar solo, é através dessa solução – elementos solúveis em água – que a nutrição das plantas é feita. Sendo assim, é necessário monitorá-la regularmente a fim de evitar variações e deficiências, bem como o excesso de nutrientes que podem acabar sendo tóxicos para a planta e para o consumidor, se consumidos em grande escala.

As plantas são compostas por água e elementos assimilados dela e do ar, sendo eles três elementos não minerais: O Carbono (C), que vem do ar, o Hidrogênio (H), que vem da água e Oxigênio (O), que vem do ar e da água. Porém, na hidroponia, elas são compostas por mais 13 elementos minerais que, nessa técnica de cultivo, são absorvidos via sistema radicular, ou seja, através da solução nutritiva pelas raízes. Os elementos minerais essenciais são divididos em dois grupos: Os macro e os micronutrientes.

Os macronutrientes possuem uma subdivisão, os macronutrientes primários: Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K), e os macronutrientes secundários: Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Enxofre (S). Esses são os elementos minerais absorvidos em maiores quantidades. Já os micronutrientes são o Boro (B), Cloro (CI), Cobre (Cu), Ferro (Fe), Manganês (Mn), Molibdênio (Mo) e o Zinco (Zn), absorvidos em menores quantidades.

Funções de cada elemento 

Macronutrientes

Nitrogênio: Essencial para a formação das proteínas, que fazem parte dos tecidos vegetais e são indispensáveis à vida das plantas e animais. Além disso, faz parte de compostos do metabolismo, como a clorofila e os alcalóides, hormônios, enzimas e vitaminas.

Fósforo: Age na respiração e produção de energia, intensifica a resistência das plantas às moléstias, contribui para o desenvolvimento do sistema radicular e saúde geral da planta. Ele também age na colheita como fator de qualidade e quantidade, ou seja, contribui para uma produção maior e melhor.

Potássio: As plantas precisam desse nutriente para elaborarem os açúcares e amido, por isso é indispensável para a formação e amadurecimento dos frutos. Além disso, aumenta a rigidez dos tecidos e resistência das plantas às pragas e moléstias. Deve ser fornecido em uma relação adequada com o nitrogênio para garantir um perfeito equilíbrio.

Cálcio: É indispensável para manter a estrutura e funcionamento das membranas, além de influenciar diretamente no equilíbrio entre a acidez e alcalinidade do meio e da seiva. Em baixas concentrações estimula a absorção de outros íons.

Magnésio: Compõe a clorofila, protoclorofila, pectina e fitina.

Enxofre: É associado ao nitrogênio na composição das proteínas.

Micronutrientes

Boro: É necessário onde as células estão se multiplicando e importante na formação das raízes e absorção dos cátions. Suas funções estão relacionadas as do Cálcio.

Cloro: Sua função é relacionada com a fotossíntese e participa da fotólise da água.

Cobre: É essencial em processos de oxidação e redução, além de ativar várias enzimas dentro da planta.

Ferro: Embora não faça parte, é essencial para a formação da clorofila, além da absorção de nitrogênio e processos enzimáticos.

Manganês: Ele participa da formação do ácido ascórbico, a Vitamina C, e também é necessário para a respiração, formação da clorofila e redução de nitratos.

Molibdênio: Tem participação da bioquímica da absorção, transplante e fixação do nitrogênio.

Zinco: Tem participação na formação do ácido indolacético (AIA), o que faz com que atue no crescimento das plantas.

Para que a cultura cresça saudável, a solução nutritiva precisa estar balanceada, e isso depende de alguns fatores que precisam estar em constante monitoração: O pH da solução nutritiva deve estar controlado para que todos os elementos permaneçam na solução e fiquem disponíveis para a planta alimentar-se corretamente, caso contrário ficarão carentes de nutrição. Em hidroponia o ideal é trabalhar com ele entre 5,5 e 6,5, pois é onde se tem a maior disponibilidade de nutrientes, caso contrário alguns elementos não se dissolvem e prejudicam a saúde da cultura.

Além disso, a condutividade elétrica (CE) deve estar igualmente controlada, pois é a partir desse processo que é permitido medir o nível de consumo dos nutrientes pela planta e fazer reposições para que ela tenha à sua disposição todos os nutrientes necessários. Para medir o pH usa-se o aparelho Peagâmetro e para medir a CE usa-se o Condutivímetro. Além desses fatores, a temperatura da solução deve ser sempre checada e mantida em torno de 25ºC e não ultrapassar os 28ºC.

Se não feito o monitoramento da solução nutritiva regularmente, esse descuido pode levar metais pesados em excesso ao organismo, por isso é importante utilizar produtos da melhor qualidade e alto grau de pureza e solubilidade a fim de garantir a qualidade da produção bem como monitorar o estado nutricional das plantas para garantir que as mesmas estejam qualificadas para o consumo humano.

Gostou das dicas? Separamos outros conteúdos que podem te interessar: