8 Dicas para iniciar seu projeto de hidroponia

A técnica da hidroponia é basicamente o cultivo de plantas sem a utilização do solo, obtendo seu apoio e nutrientes perfeitamente balanceados através de uma solução nutritiva aquosa.

Após a decisão de iniciar um projeto hidropônico é necessária uma análise de alguns pontos fundamentais para o início desta jornada. Como em todo negócio, a etapa primordial é a análise financeira, se o projeto é financeiramente viável e se ele de fato irá preencher suas aspirações e necessidades. Inicialmente, devemos considerar dois aspectos: o comercial e o técnico. Eles variam muito de região para região, devido a fatores climáticos, sociais e culturais. Por isso é necessário se especializar, e existem diversos cursos que podem auxiliar o produtor ao iniciar seu projeto.

O SEBRAE pode ajudar na confecção de um Plano de Negócios para avaliar a viabilidade financeira do negócio e a Hidrogood oferece cursos de hidroponia.

 

Agora vamos às dicas para iniciar seu projeto de hidroponia

 

1-Análise de Mercado/ Pesquisa
Para determinar o mercado consumidor e a demanda do produto é imprescindível fazer um trabalho de pesquisa em possíveis pontos-de-venda. Com o resultado desta conversa com estes possíveis clientes, é possível planejar as ações como: entregas, preços, prazos, frequência de entrega, quantidade, tipo e variedade de hortaliças, entre outras. É através desta análise que vamos dimensionar a produção e fazer o cálculo de todo o investimento, o retorno e o lucro. Esta etapa é fundamental, montar o projeto sem uma pesquisa, sem saber se há publico consumidor, se o mercado é propício, etc, é meio caminho andado para o fracasso.

2-Local de implantação
O local deve ser escolhido levando em consideração suas características, como água de qualidade, declives, ventos, boa localização para facilitar a mão de obra e a entrega, facilidade de escoamento da produção e de obtenção de insumos. Não esqueça de prever o crescimento, pois uma mudança para ampliação é trabalhosa, e necessita de aporte financeiro.  A declividade ideal seria um terreno com 5% a 10% de inclinação, porém é permitido até mais.  Se há condições de escolha, é em função do mercado consumidor que melhor se determina o local adequado. Quanto mais perto do centro consumidor, menor o custo de frete, permitindo a venda no próprio local de cultivo.

3-Marketing e Vendas
Cuidar do setor de marketing é essencial para as vendas. O cliente precisa saber que o seu produto é diferenciado, com inúmeras vantagens e em sintonia com a atual demanda de mercado por qualidade e garantia. É importante que o produtor saiba vender e mostrar ao cliente as vantagens do produto hidropônico, tais como: garantia de fornecimento (mesmo com adversidades climáticas é possível produzir devido o cultivo protegido), qualidade e segurança do produto cultivado (higiene, a planta com raiz mantém mais o viço, etc.), responsabilidade (o produto é entregue embalado com nome do produtor), tempo de prateleira (devido estar com a raíz o produto hidropônico dura mais). As vendas também podem acontecer de diversas maneiras, diretamente no local de produção, entrega direta ao cliente ou em pontos de vendas com outros distribuidores. Vender diretamente ao cliente dá um valor agregado maior, mas implica em ter embalagem e frete. Já vender ao distribuidor, o preço é menor, mas o custo de embalagens e frete é eliminado.  O produto pode ser comercializado embalado ou não, ou minimamente processado (lavado, picado e embalado)

4-Equipamento
Ao iniciar o projeto tenha em mente que uma aparente economia inicial pode refletir em custo de mão de obra e produtividade (manejo) ao longo do tempo, portanto a modernização de equipamentos é fundamental. Improvisações são necessárias quando não há alternativas, mas se não são substituídas tornam-se mais onerosas e fatalmente influenciarão na qualidade e preço do produto, bem como no custo de manejo. Em equipamentos, incluímos além da estufa e perfis hidropônicos, os aparelhos de medição, reservatório, bombas, sistema hidráulico e elétrico, área de preparação de solução e germinação.

 

5-Energia elétrica
Tão essencial quanto a água, a energia elétrica é fundamental no projeto hidropônico. Problemas que acarretem em falta de energia, devem ser previstos e evitados. Existem algumas medidas que ajudam caso você tenha uma instabilidade em seu sistema elétrico:
– Manter um reservatório de água em cima das bancadas, ligado ao sistema de irrigação com um registro. Na falta de energia, pode ser ativado manualmente fazendo com que a água passe pelo sistema e mantenha as raízes das plantas úmidas.
– Ter como reserva uma bomba à gasolina ou a diesel para ser acionada e substituir a bomba elétrica.
– Manter um gerador, que entre em operação quando necessário.

 

6-Disponibilidade de mão-de-obra
É necessária mão de obra constante, e mesmo sendo um trabalho leve, ter um funcionário diariamente no local de cultivo executando as tarefas rotineiras de complementação do nível da solução, dosagem de nutrientes, checagem de pH e condutividade, verificação visual de entupimentos, vazamentos e doenças é fundamental.

 

7-Atualização
É fundamental para o produtor hidropônico se atualizar constantemente, por isso deve planejar e prever um investimento com esta finalidade, desde a participação em viagens e eventos hidropônicos, seminários, cursos, encontros, congressos, feiras, visitas aos centros de pesquisa entre outros. É através destas atividades que o produtor se mantém informado pois a técnica de cultivo hidropônico é objeto de pesquisas constantes, há sempre atualização e novidades tanto na técnica quanto nos produtos.

8-Custos

Quando falamos em custos é preciso muita cautela, pois custo é razão direta de gerenciamento e de circunstâncias específicas de cada mercado. Um local longe de grandes centros implica em custos de obtenção de equipamentos e insumos maior. Por outro lado normalmente o preço de venda também é maior. Assim o custo de um nem sempre é igual para outro. Em hidroponia quando falamos em custos de produção, normalmente tratamos dos seguintes itens:

-Insumos (sementes, solução nutritiva e substrato para mudas). Insumos de melhor qualidade são mais caros, mas proverão melhor qualidade no manejo e no produto final. Economizar na qualidade do insumo é economizar na qualidade do produto final.

-Água
Será necessário repor diariamente a água evaporada e o cálculo exato só será obtido com a experiência, já que existe uma variação devido as diferentes condições climáticas de cada projeto específico.

-Energia elétrica
Sendo essencial na utilização da motobomba que irrigará os perfis, geralmente fica ligada de 8h a 24h, já que o temporizador controla o funcionamento da bomba.

-Funcionário
A técnica hidropônica, se comparada ao cultivo de solo é mais leve. E isto permite com que apenas um funcionário cuide de 10.000 pés de cultivos ou mais. Mas, o bom treinamento é fundamental para determinar a eficiência do funcionário.

-Frete
O cálculo do frete deve levar em consideração o combustível, distância percorrida e manutenção do veículo.

-Embalagem
Item de alto custo, mas agrega valor ao produto.

-Manutenção e ampliação
Existem também os custos de manutenção, das estufas e dos equipamentos (peagâmetro, condutivímetro, balança, termômetro), limpeza dos equipamentos e etc.

A qualidade e produtividade na hidroponia depende de uma série de cuidados que somados contribuem para o produto final. O cuidado, nas análises e no planejamento, com certeza trará melhores resultados em termos de custos, velocidade e facilidade na implantação de um projeto hidropônico.

Compartilhe este conteúdo

Deixe uma resposta