Hidroponia para cultivo em regiões quentes

13 Dicas de Hidroponia para regiões quentes

A Hidroponia é à técnica de cultivo sem terra, onde a planta se desenvolve através de uma solução nutritiva aquosa balanceada com os nutrientes necessários para o seu pleno desenvolvimento. Geralmente a produção hidropônica se dá  em locais fechados (estufas) e por isso o produtor hidropônico tem mais possibilidade de se adequar às variações climáticas, por isso preparamos uma lista com dicas e recomendações de hidroponia para cultivo em regiões quentes para se evitar o aquecimento da solução nutritiva e o estresse das plantas em regiões quentes.

Confira as 13 Dicas de Hidroponia para cultivo em Regiões Quentes:

1) Uso de estufas modelo lanternim (com aberturas no arco) para ajudar o ar quente a ser retirado da estufa;

2) Estufas com pé-direito a partir de 3 metros, sendo que para regiões muito quentes recomendamos pé-direito de no mínimo 4 metros para melhor ventilação;

3) Uso do filme azul, que converte “faixa de luz” menos utilizada pelas plantas no processo fotossintético em comprimentos de onda com maior efetividade, como é o caso do azul e vermelho/vermelho extremo, ou seja, as plantas recebem maior quantidade de luz fotossinteticamente ativa nas faixas de maior efetividade.

4) Uso de Tela Aluminet na parte superior da estufa para refletir a radiação solar (diminui de 3º a 5ºC);

5) Uso de telas com maiores aberturas nas laterais para melhor circulação do ar;

6) Uso de torre de resfriamento (ajuda a manter a solução “menos quente” – no mínimo igual à temperatura externa da estufa). Entretanto, por injetar ar ambiente para resfriar a solução, deve estar instalada em um local fresco e arejado, com temperatura em torno de 25ºC;

7) Tubulação de água enterrada e caixa de água abaixo do nível do solo (solução não absorverá tanto calor, já que solo ajuda a manter mais fresca);

8) Uso do sistema Venturi no retorno de sua tubulação para maior oxigenação da solução;

9) Inclinação do terreno de 5 a 8% (para que solução circule rapidamente e não esteja exposta à grandes trocas de calor por muito tempo;

10) Estufas não muitos grandes (largas ou compridas) para melhor circulação de ar internamente;

11) Caso as medidas recomendadas não se mostrem suficientes, deverá ser estudado o uso de exaustores e nebulizadores. Para o uso dos mesmos deve-se realizar estudos afim de se evitar alta umidade do ar, que pode interferir na respiração e transpiração de suas plantas, além de molhar as folhas o que pode levar à presença de fungos

12) Para controle da temperatura da solução, outra medida recomendada por alguns produtores é montar um espaço ao redor do reservatório e o encher com areia, molhando-a durante o dia. Dessa forma haverá troca de calor do reservatório com a areia fresca, auxiliando a reduzir a temperatura da sua solução. Entretanto, deve-se tomar cuidado com essa medida, principalmente com o volume de areia, pois essa areia molhada pode exercer uma pressão maior do que a suportada pelo reservatório, principalmente se ele estiver vazio, danificando-o.

13) Em dias muito quentes sua planta sentirá maior necessidade de água do que nutrientes. Caso as plantas apresentem alguma alteração, pode utilizar a condutividade em torno de 1,1 a 1,2 mS. Em dias normais, utilize a condutividade de 1,4 mS a 1,5 mS.

Compartilhe este conteúdo

Deixe uma resposta