Microverdes: um mercado altamente rentável

Com menores gastos com a produção e alto valor comercial, os microverdes se apresentam como um mercado promissor para os horticultores

Como abordamos na última semana, com o agro crescendo no país, surge a necessidade de se diferenciar neste mercado. Uma das alternativas para o produtor de hortaliças é o cultivo de microverdes!

O QUE SÃO OS MICROVERDES?

Os microverdes são plantas colhidas de 7 a 20 dias após a sua germinação, a chamada colheita jovem.

Como resultado, além do tamanho pequeno, que atrai a atenção dos consumidores – principalmente do público infantil! -, essas hortaliças também apresentam um sabor diferenciado e alto valor nutritivo, variando de quatro a 40 vezes maior que as plantas adultas.

O QUE PODE SER CULTIVADO COMO MICROVERDES?

Geralmente, os microverdes são hortaliças como acelga, agrião, alface, coentro, manjericão, rúcula e repolho.

QUAL É A PRINCIPAL VANTAGEM DESSE TIPO DE PRODUTO? 

Os microverdes se enquadram na categoria de hortaliças gourmet, portanto apresentam um valor de mercado naturalmente mais alto.

É um produto bastante procurado por estabelecimentos mais requintados que buscam agregar valor aos seus pratos.

Também são comercializados em pontos com alto custo de mercado, geralmente higienizados e embalados.

Além disso, na produção, os microverdes exigem menos espaço, já que são menores, menos uso de recursos (como água, fertilizantes, etc.), além de possuírem um menor ciclo entre as culturas.  

QUAL É A PRINCIPAL DIFERENÇA ENTRE OS MICROVERDES E A BABY LEAF?

Os microverdes são plantas mais jovens. Enquanto sua colheita é feita entre o 7º e 20º dia após sua germinação, as baby leafs possuem um ciclo um pouco maior: entre o 21º e o 40º dias após a germinação!

Gostou desse conteúdo? Separamos outros artigos que podem te interessar: