Colheita de alfaces hidropônicas

Hidrogood News: Cuidados da pré colheita a entrega ao consumidor

Por: Dr. Gláucio da Cruz Genuncio, especialista em Nutrição Mineral de plantas.

A redução significativa das perdas dos produtos hidropônicos é uma condição que todos os produtores almejam para maximizar rentabilidade, já que tais perdas podem alcançar níveis alarmantes de até 40% do total comercializado. De modo geral, aceitam-se perdas entre 5 a 10%, não mais que isso. Fica evidente que a redução de perdas precede aos cuidados adotados desde a colheita até o transporte ao seu ponto de entrega. 

Mediante o exposto, este Hidrogood News tem por objetivo destacar quais são os pontos relevantes a serem observados para que se tenha uma redução de perdas no processo de pré-colheita até o embalamento e transporte da carga ao destino final, geralmente, aos pontos de comercialização. 

A manutenção de uma planta saudável, com equilíbrio nutricional e fitossanitário, é condição fundamental para redução de perdas. O manejo de irrigação e a manutenção de um microclima (temperaturas, por exemplo) próximo ao crescimento ideal também são fatores que minimizam perdas. 

Além do fundamental supracitado, destacamos como importante o adequado horário da colheita, por este influenciar de forma positiva ou negativa na manutenção da turgência (teor de água) na parte colhida (folhas ou frutos, por exemplo). Assim, a recomendação é que se colha as plantas nas primeiras horas da manhã ou ao entardecer. Muitos utilizam a câmara fria para o armazenamento para a manutenção até a hora do transporte, porém é relevante destacar que as câmaras devem possuir umidificadores, pois para a grande maioria das hortaliças folhosas, uma umidade alta prolonga o tempo de armazenamento por manter a planta turgida. 

colheita de produtos hidropônicos por Ricardo Tarchiani

Outro fator importante é o ponto de colheita. O ponto de colheita é uma intrínseca da espécie ou cultivar (genética). Para a alface, recomenda-se o acompanhamento do quantitativo de folhas indicado para cada variedade, assim como a roseta estar sempre compacta, pois o elongamento do caule pode indicar pendoamento (situação essa que predispõe a mudança de estádio da planta de vegetativo para reprodutivo, ou seja, ninguém quer comercializar alface com flores ou alface pendoada).

Para algumas hortícolas frutíferas, considera-se coloração e tamanho do fruto, por exemplo, berinjela (20 a 25 cm de comprimento), pimentão (formato e comprimento) e couve flor (peso da cabeça próximo a 1,2 kg), além do estágio de maturação, utilizado para frutos climatéricos (aqueles popularmente conhecidos como os que amadurecem “fora do pé”). Como exemplo temos o tomate, com coloração amarelada próximo ao ápice (fruto climatérico) como ponto de colheita adequado. Cabe ressaltar que para os tomates tipo grape a coloração de colheita é a vermelha.

Um outro fator a ser considerado é o de não colher as plantas com chuva, pois a umidade excessiva nas partes colhidas favorece ao ataque de fungos, como por exemplo o fungo causador da antracnose. 

Destaca-se que a limpeza é uma característica fundamental para a manutenção da vida útil da parte colhida, que vai desde da hora da retirada da planta da bancada ou do fruto da planta até a entrega ao ponto de comercialização. Assim, o asseio reduz a possibilidade de ataque de doenças pós-colheita

A utilização de caixaria inadequada (caixas K ou de madeira) pode ser um fator de redução do tempo de prateleira das plantas a serem comercializadas, uma vez que causa ferimentos e estes aceleram a degradação do produto, com aumento das perdas. Um ponto positivo para a hidroponia é que a maioria dos produtores utiliza caixas de plásticos. Por outro lado, a desinfecção destas caixas de plástico é importante, inclusive desinfecção dos baús dos caminhões com sanitizantes.

E por último, mas não menos importante, o cuidado no empilhamento e distribuição dos produtos dentro das caixas é fundamental. Por exemplo, em uma caixa padrão para se transportar alface, o número máximo de 12 plantas deve ser observado e atendido e, estas devem ser organizadas na horizontal para que as caixas empilhadas não afetem as bordas das folhas.

Percebam que são vários fatores e não há dúvidas da minha parte que não são somente estes os fatores que devem ser considerados; mas a observação criteriosa do quantitativo máximo de fatores que possam afetar a qualidade do produto hidropônico é uma premissa importante para a redução das perdas no decorrer da cadeia de hidropônicos.

Espero que tenham gostado desta edição do Hidrogood News e, até o próximo.

Gostou deste artigo? Separamos alguns que certamente irão lhe interessar: