Tendências do agronegócio para 2021

Foto de capa: produção de tomate com a Calha Vaso Hidrogood.

Em 2020 o agronegócio apresentou resultados muito positivos, apesar da pandemia causada pelo coronavírus ter impactado negativamente a economia do país, mas, mesmo assim, o ano deixou algumas lições para todos, inclusive para os produtores rurais.

Por isso, se atualizar e estar atento às tendências do agronegócio em 2021 é fundamental para manter o setor em ascensão.

Segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), o PIB do agro em 2020 cresceu  2,37% em novembro de 2020, acumulando alta de 19,66% nos 11 primeiros meses do ano passado na comparação com o mesmo período de 2019.

O setor que teve melhor desempenho foi o primário, com uma expansão de 47,5%, porém, todos os segmentos tiveram alta nestes 11 meses analisados. O setor de serviços cresceu 17,06%, enquanto agroindústria e insumos tiveram elevações de 5,58% e 3,36%, respectivamente.

Pensando nisso e em manter os produtores atualizados, reunimos neste artigo as principais tendências do agronegócio para o ano de 2021.

  • Inteligência artificial

Apesar de já ser uma grande realidade, a inteligência artificial deve se consolidar em 2021 ao lado das máquinas. O governo anunciou a criação da Rede de Inovação em Inteligência Artificial que deverá receber um investimento de mais de R$ 140 milhões em projetos, sendo que, desse total, quase 30% será focado no agronegócio.

A expectativa é que a tecnologia passe a entender melhor o campo e suas necessidades, melhorando a base e leitura de dados e elevando a precisão.

  • Equipamentos autônomos

Ao lado do avanço da IA, vem a automatização dos processos. Já é comum fábricas com montagem de produtos robotizadas, mas, no campo, essa tecnologia está caminhando em passos um pouco mais lentos. 

Entretanto, não faltam empresas que querem levar autonomia ao mercado agrícola por meio de sistemas e maquinários totalmente automatizados. Equipamentos autônomos devem ser uma realidade em breve, trazendo resultados mais precisos e eficientes.

  • Drones e sensores

Equipamentos como drones e sensores devem aparecer fortemente no campo em 2021, afinal, com eles é possível ter um monitoramento mais preciso do que é feito na área rural e acompanhar cada pedaço do cultivo. 

Um exemplo de uso desses equipamentos é a ajuda na identificação de doenças e pragas em plantações, o que permite verificar onde é preciso atuar na aplicação de insumos, por exemplo. 

  • Crédito rural

Em 1º de julho de 2020 entrou em vigor o Plano Safra 2020/21 e segue até 30 de junho de 2021. Esse plano tem como objetivo principal incentivar a produção sustentável e fortalecer os pequenos e médios produtores rurais, ampliando o acesso ao crédito rural.

Em 2020 foram disponibilizados R$ 236,3 bilhões para a nova safra, sendo que desse total, R$ 179,38 bilhões foram destinados ao custeio e comercialização dos produtos agrícolas. 

Nos primeiros cinco meses da safra 2020/21 (julho a novembro) as contratações das operações de crédito rural somaram 108,75 bilhões, aumento de 19% em comparação com o mesmo período da safra anterior (2019/20).

Para 2021, a Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Tereza Cristina, já afirmou que está em negociação novo aporte de mais de R$ 4 bilhões para as linhas de investimento no agro.

  • Mobile

Outra tendência para o ano de 2021 que deve fortalecer a transformação digital no campo é a utilização de smartphones e tablets integrados com soluções já existentes no mercado. A ideia é que as informações obtidas por computadores de bordo, por exemplo, possam ser monitoradas diretamente dos dispositivos, facilitando a gestão e acompanhamento dos processos.

  • Mercado internacional

De acordo com a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o Brasil continuará sendo destaque no mundo. Em 2020 a exportação de produtos do agro foi um recorde, impulsionada por um câmbio que torna mais competitivo o preço dos produtos do agro brasileiro no mercado internacional. Com isso, em 2021 o Brasil deve continuar sendo destaque como um dos poucos países com potencial para aumentar a produção de alimentos.

Além disso, a ministra anunciou que o acordo entre o Mercosul e a União Européia está em processo de tradução e deve ser assinado ainda em 2021. Isso significa que a agropecuária brasileira terá facilidades para entrar no mercado europeu, mas deve reforçar a sua agenda de sustentabilidade.

Em 2020 o agronegócio foi o único setor da economia nacional que cresceu em meio a crise. Além disso, desde janeiro de 2019 foram mais de 60 mercados abertos para os mais diversos produtos, gerando ainda mais valor, com recordes de exportação.

Em 2021 o agronegócio deve crescer mais de 3% em relação ao ano anterior e continuará forte com a recuperação da economia brasileira. 

Gostou desse conteúdo? Separamos outros artigos que podem te interessar:
Compartilhe este conteúdo