Hidrogood News: Enfim choveu! Agora é hora de reconquistar o mercado.

Por: Dr. Gláucio da Cruz Genuino, especialista em Nutrição Mineral de plantas.

Para muitos hidroponistas esta fase é a mais aguardada nesta época do ano, pois é a fase de maior lucratividade. De forma geral, os meses compreendidos entre julho a setembro são meses de forte concorrência com as hortaliças produzidas convencionalmente, onde os preços baixos e a sobra de produto fazem lembrar que a atividade hidropônica é uma atividade de risco, como quaisquer atividades agrícolas.

Ao produtor hidropônico que passou estes três meses sem muitos prejuízos em função da estabilização do volume comercializado quanto no preço fixado, meus parabéns. Um posicionamento de mercado, com todo um planejamento, é um dos grandes segredos deste sucesso!

Aos produtores que estão se recuperando destes factíveis meses, não desanime (este é o nosso sentimento). A vivência desta fase pode ser importante para um futuro promissor, conduzido com maior solidez e com um adequado planejamento mercadológico. Mas este Hidrogood News tem como objetivo principal tratar especificamente de aspectos mais agronômicos do que mercadológicos, mesmo considerando que ambos são fundamentais para a obtenção do sucesso em um empreendimento hidropônico.

A fase de vendas e preços de produtos hidropônicos reduzidos pode se perpetuar não somente nos 3 a 4 meses problemáticos. Nestes as atividades rotineiras da hidroponia são sumariamente afetadas, porém, não devem ser deixadas fora do monitoramento intensivo. A se reduzir as vendas se reduz o plantio, o transplantio e até mesmo o número de bancadas plantadas. Assim, o seu principal exercício nestes meses é o de manter toda a produção sob alerta amarelo, para que em outubro toda a atividade esteja em pleno vapor.

Fatores como a falta de mudas nas diferentes fases de cultivo ou, até mesmo, a produção de mudas em péssima qualidade e desenvolvimento são rotineiramente observados e relatados por produtores hidropônicos nestes meses que se sucedem (outubro em diante). Assim, ter um olhar de “futuro” é importante para solucionar a crise do passado, além de saber que a falta de plantas em quaisquer fases pode afetar a oferta futura de hortaliças em até 50 dias, é fundamental para a saída da crise.

Resumidamente, a busca de equilíbrio nesta época de “vacas magras”, com a manutenção do fluxo de produção de mudas, com as bancadas cheias e com uma projeção de colheita por produto são passos fundamentais e importantes para os lucrativos meses que virão!

Cabe ressaltar que não somente o fluxo de produção de mudas é importante. O monitoramento de doenças e pragas nesta época de intenso calor e chuvas é fundamental. Uma dica importante: as doenças podem ser (e são) de caráter regional, como a cercosporiose e a septoriose em locais de muito calor e chuvas. Por outro lado, certos tipos de pragas e doenças caracterizam-se por possuírem uma incidência mais ampla como a tripes, traça das crucíferas e mosca minadora (pragas difíceis de serem controladas quando acima do nível de dano econômico), além de doenças do tipo bacteriose como o Talo oco (Pectobacterium – vulgo Erwinia).

Assim, para a obtenção dos lucros desejados e esperados no decorrer destes meses de chuva a necessidade de uma administração de crise no passado é fundamental.

Espero que tenham gostado deste Hidrogood News e até o próximo!

Gostou desse conteúdo? Separamos outros que certamente irão lhe interessar