Hidrogood News: Qual é a melhor alface para a hidroponia?

Por: Dr. Gláucio da Cruz Genuino, especialista em Nutrição Mineral de plantas.

Caros leitores, percebam que este tema proposto é um tanto intrigante, uma vez que não existe uma resposta definitiva dada a sua variabilidade de fatores a serem avaliados. Assim, como posso responder a esta pergunta sendo um tanto quanto eloquente?

Cabe-me, com isso, expressar que este questionamento perdura em quase vinte anos de estudo do cultivo de alface em hidroponia e do entendimento dos “mistérios agronômicos” que a prática dela envolve.

De fato, a melhor base para respondê-la é o entendimento da variação/adaptabilidade genética das plantas que o produtor escolheu para o cultivo hidropônico e, principalmente, as suas inter-relações quanto ao crescimento em função do microclima a que são expostas. Resumidamente, o que há de se entender é se a planta é ou não adaptada às condições tropicais do Brasil.

Tais condições ou variáveis referem-se, principalmente, a dinâmica da temperatura em seu estado no decorrer do ano (clima) e suas interações com o ambiente protegido (microclima da estufa). Além disso, outra variável a ser monitorada é a umidade relativa (UR%) que pode ser extremamente alta (acima de 80%) em determinadas regiões do Brasil, como Manaus e Pará ou extremante baixa, como as verificadas em parte significativa da região Centro-Oeste, com UR% abaixo de 20% nos meses compreendidos entre julho a setembro.

Outra variável relevante a ser monitorada ou compreendida é a irradiância (quantidade de radiação disponível para as alfaces, determinante da temperatura, inclusive), que pode ser muito baixa em períodos chuvosos, principalmente em regiões como Curitiba ou em Belém (Pará) ou São Luiz (Maranhão) ou altas como na maior parte do território brasileiro.

Com isso, para se saber se a planta de alface vai pendoar, amargar, travar o seu crescimento, ter morte radicular, queimar a borda ou terá problemas de germinação, uma pergunta fundamental deve preceder a todas estas supracitadas: A planta que você definiu para o plantio em sua região é adaptada às condições microclimáticas específicas de sua estufa? Assim como ela responde positivamente (produz com rapidez e qualidade) quanto exposta às condições de temperaturas, UR% e irradiância fora da faixa base recomendada para a espécie alface? Assim um termo de uso recorrente é o seguinte: A sua alface possui características de adaptabilidade ao clima tropical ou, resumidamente, ela é tropicalizada?

Perguntas mais corriqueiras também devem ser realizadas, tais como: A alface que eu quero já foi testada em outros produtores próximos com resultados satisfatórios? Posso testá-la antes de decidir produzi-la? Tenho área e fôlego financeiro para isso? e, principalmente, a que mais nos esquecemos, por mais incrível que pareça: O meu consumidor está apto a comprá-la?

Prezados, assim, concluo esta edição com um novo questionamento: Vocês já se preguntaram quantas cultivares e variedades de alface têm ofertadas no mercado brasileiro de sementes atualmente? E, se lhe ocorrem muitas como resposta, tenho outra pergunta: por quê?

Um forte abraço e até a nossa próxima edição!

Gostou deste artigo? Separamos alguns que certamente irão lhe interessar: