Hidrogood News: Raízes Hidropônicas – Para quê servem?

Por: Dr. Gláucio da Cruz Genuncio, especialista em Nutrição Mineral de plantas.

Ao lerem o título, muitos responderão que as raízes são estruturas responsáveis pela sustentação das plantas nos sistemas hidropônicos, assim como são responsáveis pela absorção de nutrientes disponibilizados às plantas, a partir da aplicação de uma solução nutritiva contendo todos os quatorze elementos essenciais ao crescimento vegetal.

De modo geral, esta resposta está correta, porém não contempla todas as funções desta parte das plantas. Assim, o objetivo deste Hidrogood News é ampliar, de forma geral, o entendimento das funções das raízes da alface quando conduzidas em sistema hidropônico NFT.

Em função disto, o conhecimento da importância de uma boa sustentação/distribuição do sistema radicular das plantas ao serem conduzidas em hidroponia tipo NFT (tanto é que o desenho dos perfis mudou no decorrer dos anos, enfatizando uma melhor distribuição das raízes no espaço de cultivo) e a efetiva absorção de nutrientes (que é um fator que por si só, contemplaria algumas páginas de leitura) já possibilita ao produtor produzir hortaliças hidropônicas.

Porém, cabe ressaltar aqui que há uma efetiva participação das raízes em parte significativa do processo produtivo de planta hidropônica e que o conhecimento e o acompanhamento desta participação que fará ao produtor conhecer melhor as suas plantas, fato este o que possibilitará a uma tomada de decisão quanto houver um problema nas plantas.

Tomemos como exemplo a variação do pH na solução, com a tendência normal a um aumento de valores no decorrer dos dias. Este efeito é ocasionado indiretamente pela absorção de anions (Nitrato – NO3-, principalmente), onde as raízes tentam equilibrar a entrada do nitrato para não sofrerem deficiência com a saída de um próton. Este fato é importante de se conhecer, pois ao se monitorar o pH, de certa forma, o produtor monitorará a eficiência de absorção radicular, ou seja, saberá se as raízes estão funcionando de forma adequada ou não.

Um sistema hidropônico que não varia valores de pH no decorrer do cultivo, por exemplo, é um sistema com problemas nutricionais. Estes problemas podem ser de origens distintas, como por exemplo, relacionados a morte radicular por excesso de temperatura, como também ao ataque de Pythium (inclusive, uma forma de saber que existe uma possível infecção de Pythium é a leitura de uma queda abrupta de pH, com valores podendo chegar a 3,5 na solução) ou, quaisquer problemas com fitotoxidez que podem necrosar (matarem) as raízes e, consequentemente, impedirem a adequada absorção dos nutrientes. Assim, o monitoramento e controle efetivo do pH favorecerá a um melhor funcionamento da absorção de nutrientes, que é desempenhado pelo sistema radicular, sendo a faixa adequada próxima a 5,8 (6,0 ±0,2)

Tomando como exemplo a morte do sistema radicular por quaisquer fatores bióticos e abióticos e, sabendo da necessidade de recuperação, a pesquisa científica juntamente com práticas de hidroponistas no dia a dia vêm gradativamente adotando o uso da indução de novas raízes. Esta indução é realizada com a aplicação de indutores de crescimento radicular. Ressalta-se que existem vários produtos com esta finalidade e que já são amplamente utilizados em hidroponia por produtores que acompanham o crescimento e as funcionalidades das raízes (principalmente pela variação do pH). Estes produtos são aplicados via solução e, quando não a base de fertilizantes, contém reguladores de crescimento vegetal (que simulam a ação de um hormônio vegetal); o que favorece ou possui em sua fórmula ingredientes ativos que participam das funções fisiológicas das raízes (com ação hormonal).

Por falar em ação hormonal, algo muito interessante para a hidroponia é saber que os produtos possuem um tempo maior de prateleira (pós colheita ou shelf life). Porém o que poucos sabem é que este tempo maior de prateleira está ligada a continuidade por parte do sistema radicular, uma síntese de um hormônio chamado citocinina. Pois é! Uma alface após ser colhida continua viva e, pasmem, continua a sintetizar citocinina, que é um hormônio que tem como função a manutenção da parte aérea sempre verde.

Assim, monitorar coloração de raízes (sempre brancas), textura e resistência de raízes e pH fazem parte de um conjunto de variáveis fundamentais a serem monitoradas e, se possível, controladas. E uma recomendação importante: Evitem tirar as raízes para a comercialização, pois elas além de terem papel na marca registrada/identificação de plantas produzidas via hidroponia no Brasil, garantem uma vida mais longa às plantas depois de colhidas.

Espero que tenham gostado desta edição e até a próxima!

Gostou deste artigo? Separamos alguns que certamente irão lhe interessar:
Compartilhe este conteúdo