Cultivo protegido Entenda o que é e suas vantagens

Cultivo protegido: Entenda o que é e suas vantagens

O cultivo protegido é uma técnica muito utilizada por produtores de diversas regiões, pois é uma alternativa para driblar as intempéries climáticas e obter uma produção de alta qualidade. 

Seu objetivo é controlar parcial ou totalmente a área ao redor dos cultivares, protegendo a colheita, especialmente, de temperaturas muito altas ou baixas, tempestades e granizos. Além disso, também serve como proteção contra animais e insetos que, por ventura, poderiam danificar as plantas. 

Outra principal vantagem que o cultivo protegido oferece é em relação a demanda e oferta, diferenciais necessários para destacar-se no mercado. Como é possível controlar algumas variáveis como temperatura, umidade do ar e radiação solar, é possível obter produtos com melhor qualidade e, consequentemente, comercializá-los por um preço maior. 

Além disso, esses controles permitem que o produtor tenha uma eficiência produtiva maior, obtendo uma produtividade acima de 60%, o que colabora para que ele não enfrente a sazonalidade. Assim, a oferta é mais equilibrada, possibilitando que os produtores ofereçam produtos mesmo na entressafra.

O cultivo protegido também acarreta em diminuição dos gastos com controle fitossanitário, afinal, plantas produzidas em estufas apresentam menor incidência de pragas e doenças. 

Hoje, existem diversos sistemas que podem ser implementados através do cultivo protegido. Para escolher o que melhor se adequa à você, conheça-os a seguir.

Sistemas que podem ser feitos através do cultivo protegido: Conheça as características de cada um deles

O cultivo protegido é utilizado, principalmente, em regiões que sofrem com adversidades climáticas. Com ele é possível ampliar a possibilidade de plantio em épocas menos favoráveis e obter, também, produtos com qualidade superior, pois cria-se microclimas ideais para o desenvolvimento sadio das plantas.

As casas de vegetação (estufas) são as estruturas mais utilizadas e são elas quem fazem a proteção da plantação. Por isso, são fundamentais para obter sucesso neste tipo de cultivo. Conheça, a seguir, alguns dos sistemas que podem ser feitos através do cultivo protegido.

Cultivo protegido feito diretamente no solo

Este método de cultivo é muito parecido com o “tradicional” a céu aberto, porém, aqui, mesmo as plantas estando diretamente no solo, estão protegidas de ventanias, geadas e chuvas, recebendo água apenas por irrigação. 

Para melhorar a eficiência do manejo e desenvolver plantas mais saudáveis, bonitas e de qualidade, alguns produtores que produzem em solo optam pela fertirrigação. Esta técnica acrescenta os nutrientes à água que irriga as plantas, poupando custos e melhorando a eficiência.

Cultivo protegido feito com substratos

Assim como o anterior, este método consiste em utilizar a fertirrigação para nutrir as plantas, porém, a diferença é que os cultivos não ficam diretamente no solo. Aqui, eles ficam em materiais inertes (que não fornecem nenhum nutriente à planta) de origem natural ou mineral.

Estes materiais, além de estarem livres de agentes patogênicos, protegem as raízes contra a luz, permitem uma boa retenção de água, boa disponibilidade de nutrientes, maior controle nutricional e uma oxigenação adequada.

cultivo protegido feito com substrato

É uma ótima opção para produtores que possuem problemas relacionados ao solo como doenças, compactação ou salinização. Além disso, para culturas que possuem o sistema radicular e parte aérea mais desenvolvidos, a produção em substrato confere sustentação às plantas. 

Assim, oferecendo apoio no crescimento das raízes e fornecendo as quantidades adequadas de nutrientes e oxigênio, tem-se produtos mais saudáveis.

O cultivo protegido feito com substratos combinado com a fertirrigação é uma ótima alternativa, também, para produtores que possuem ambientes muito úmidos e produzem, principalmente, hortaliças de frutos como o morango, tomate, pepino e pimentões, ou seja, plantas de média e longa duração.

Isso porque, normalmente, os produtores apoiam os substratos diretamente no solo, sem nenhuma estrutura. Isso acaba fazendo com que a solução nutritiva (que é irrigada por gotejamento) caia diretamente no solo, colaborando ainda mais para criar um microclima desfavorável. A umidade presente tende a desequilibrar o ambiente interno da estufa, tornando o local menos eficiente para o desenvolvimento ideal das plantas. Além disso, a umidade também colabora com o surgimento do lodo, o que favorece ainda mais o surgimento de patógenos.

Por isso, o mais recomendado é que os produtores que optarem pela fertirrigação em substrato em ambiente protegido utilizem calhas para recolher o drenado. Isso evita que a solução nutritiva goteje no chão da estufa bem como colabora para que não haja desperdícios, pois a mesma pode até ser reutilizada.

Saiba mais sobre as calhas Hidrogood aqui.

Cultivo protegido feito em água

Este tipo de cultivo é conhecido, como já se sabe, por hidroponia. Essa é uma técnica de cultivo feita dentro de um ambiente protegido sem o uso de solo e substratos onde uma solução nutritiva percola oferecendo todos os nutrientes necessários para seu desenvolvimento. 

Dentro da hidroponia existem outros tipos de cultivo como floating, aeroponia, NFT, entre outros. O mais utilizado no Brasil é o NFT (Nutrient Film Technique) ou Técnica do Fluxo Laminar. Essa técnica consiste em cultivar as plantas com seus sistema radicular dentro de um canal ou canaleta onde suas raízes ficam em contato constante com a solução nutritiva. 

Todavia, embora o fluxo desta solução deva ser contínuo, ele deve ser fino a fim de  permitir que uma parte da raiz fique em contato com a água, enquanto outra parte fica livre em contato com o oxigênio.

Aqui na Hidrogood eliminamos os antigos métodos de estruturas e substituímos por perfis de polipropileno. Estes materiais são totalmente atóxicos, isentos de metais pesados e em dupla camada, o que confere mais proteção às raízes.

Já no floating (ou piscinão), as raízes ficam inteiramente mergulhadas em uma solução nutritiva enquanto que na aeroponia elas ficam suspensas em um reservatório recebendo intermitentemente uma pulverização com solução nutritiva.

Os resultados obtidos com todos estes tipos de cultivo protegido são muito bons, resta saber qual o mais vantajoso para o produtor. 

Por exemplo, embora o cultivo em solo não necessite de outras estruturas como calhas ou perfis, além do processo de desenvolvimento das plantas ser mais lento, acarretando em uma oferta de produtos mínima, ainda é necessário fazer uma análise química para saber se o solo possui limitação, se é saudável ou não, entre outros fatores.

Já o cultivo protegido em substrato e na água oferecem diversas vantagens: produtos saudáveis o ano todo, maior tempo de prateleira, manejo mais prático e produtivo, nutrição precisamente balanceada, alta rentabilidade, devido à produção em quantidade e qualidade na época em que a oferta de produtos é mínima ou impossível (entressafra), entre outros. 

cultivo protegido hidroponia hidrogood

Sem contar que praticamente tudo pode ser cultivada por hidroponia: hortaliças folhosas (alface e rúcula) e frutíferas (tomate, pimentão), ervas aromáticas (manjericão e hortelã) e medicinais (alecrim e boldo), mudas de arbóreas (eucalipto), flores, etc. 

Se estiver pensando em se tornar um produtor hidropônico ou com substratos, solicite um projeto gratuito aqui. Você terá em mãos todos os requisitos necessários para iniciar a sua produção.

Gostou deste artigo? Separamos alguns que certamente irão lhe interessar: