Disponibilidade dos componentes químicos em função do pH

Na hidroponia, a deficiência ou a falta de um elemento impossibilita a planta de completar o seu ciclo biológico e pode provocar perdas enormes para o produtor. 

Para evitar isso, é necessário monitorar diariamente o pH da solução nutritiva. Assim, todos os elementos permanecem em seus respectivos níveis para a planta alimentar-se corretamente. Caso contrário, a produção ficará carente de nutrição e isso poderá prejudicar seu crescimento.

Elementos químicos

Antes de tudo, é preciso lembrar que as plantas são compostas por alguns elementos, sendo eles: Carbono (C), Hidrogênio (H) e Oxigênio (O) os elementos não minerais que são incorporados ao metabolismo vegetal através da água e ar e os elementos minerais, que são absorvidos via sistema radicular através da solução nutritiva. Estes são divididos em dois grupos, os macro e os micronutrientes.

Os macronutrientes possuem duas subdivisões, o grupo de elementos primários, composto por Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K) e o grupo de elementos secundário, composto pelo Cálcio (Ca), Magnésio (Mg) e Enxofre (S). Esses são os elementos minerais absorvidos em maiores quantidades. Os micronutrientes, absorvidos em menores quantidades, são: Boro (B), Cloro (CI), Cobre (Cu), Ferro (Fe), Manganês (Mn), Molibdênio (Mo) e o Zinco (Zn).

O Ph e a disponibilidade dos elementos

O pH (potencial de hidrogênio) da solução nutritiva é medido em uma escala de 1 a 14, sendo o ponto considerado neutro 7. Acima desse número considera-se uma solução alcalina e inferior ácida. Para níveis mais precisos de pH cada número é, ainda, dividido em 10 partes (5.1, 5.2, 5.3, etc). Em hidroponia o ideal é trabalhar com ele em uma faixa entre 5.5 e 6.5, pois é onde encontra-se a maior disponibilidade dos elementos. Confira o gráfico abaixo:

Em casos de efeito de pH direto o resultado é a ação dos íons H+ (acidez) sobre as membranas das células das raízes. Valores inferiores a 4.0 comprometem a permeabilidade das membranas das células das raízes e o crescimento radicular é retardado. Já um pH elevado, acima de 7.5 (alcalino) afeta o funcionamento celular, alterando o potencial eletroquímico transmembrana.  

Já em casos onde o efeito do pH é indireto, o que fica comprometido é a solubilidade dos nutrientes, afetando a capacidade de absorção da planta. Um pH inferior a 5.0  causa uma disponibilidade baixa dos macronutrientes N, P, K, Ca, Mg e S. Já um pH acima de 6,5 reduz os micronutrientes Fe, Cu, Mn e Zn. Todavia, hoje em dia, existe no mercado hidropônico a comercialização de micronutrientes quelatados, eles ajudam na minimização do efeito do pH na disponibilidade de nutrientes.

Corrigindo o pH 

Em caso de desbalanceamento, ele deve ser corrigido o quanto antes, pois alterações muito grandes afetam a absorção de nutrientes e podem prejudicar a saúde da planta e comprometer a produção.

Para realizar esse processo de ajustes, seja visando subir ou baixar o pH, existem algumas opções. O aparelho peagâmetro é utilizado para medir a quantidade de íons dissolvidos na solução, dando, portanto, uma ideia da concentração da mesma. O monitoramento do pH é de extrema importância e deve ser feito constantemente, pois é  através dessa medição que é possível acompanhar a absorção dos nutrientes pela planta e, assim, tomar as ações necessárias para repor os nutrientes. 

Para baixar o pH de uma solução, podemos utilizar o ácido fosfórico e sobrenadante de cal para elevar. Todavia, quando o desvio é muito grande, constante ou muito difícil de controlar, é melhor fazer uma troca completa.

De todo modo, além do balanceamento do pH, para uma produção de qualidade é necessário se atentar a diversos fatores. Apenas controlar o pH não fará muito pela produção se, por exemplo, a Condutividade Elétrica estiver fora da faixa recomendada de 1,5 a 3,5 miliSiemens/cm (esses valores variam de acordo com a cultivar adotada). Também é importante fazer uma análise da água utilizada no preparo da solução nutritiva para ter a certeza de que a mesma não apresenta alguns minerais em excesso ou um pH muito alterado. 

Gostou das dicas? Separamos outros conteúdos que podem te interessar: 
Compartilhe este conteúdo